Rainha do Rock n’ Roll, Tina Turner, falece aos 83 anos após luta contra doença

Após décadas de sucessos e performances arrebatadoras, a música perde uma de suas grandes referências

O mundo da música está em luto novamente, dessa vez com a triste notícia do falecimento de Tina Turner, aos 83 anos de idade. A lendária cantora americana, considerada a rainha do rock n’ roll, morreu em sua casa na Suíça, conforme confirmado por seu assessor nesta quarta-feira (24). Embora a causa da morte não tenha sido divulgada, sabe-se que Tina enfrentava uma longa doença.

A trajetória de Tina Turner é marcada por uma vida repleta de desafios e superações. Nascida como Anna Mae Bullock em uma família pobre nos Estados Unidos, ela enfrentou o abandono dos pais aos 15 anos e buscou sustento cantando em boates. Foi em uma dessas apresentações que seu destino mudou ao conhecer Ike Turner e a banda The Kings of Rhythm. Rapidamente, ela se tornou uma das vozes principais e, ao lado de Ike, alcançou o sucesso nos anos 60 e 70 no cenário da música soul.

No entanto, por trás dos holofotes, a vida pessoal de Tina Turner era marcada por brigas e escândalos. Ike Turner, seu ex-marido, era alcoólatra, dependente de drogas e a agredia fisicamente. Após 18 anos de um casamento conturbado, Tina finalmente pediu o divórcio, abrindo mão de todo o patrimônio em troca de manter o sobrenome Turner.

Determinada a recomeçar sua carreira, Tina Turner enfrentou desafios financeiros e abriu shows para outros artistas famosos, como os Bee Gees. Inspirada por nomes como David Bowie e Rolling Stones, ela adotou um novo estilo, com roupas ousadas e cabelos loiros espetados, apostando no rock. Em 1984, lançou o álbum “Private Dancer”, que a levou ao estrelato mundial com o hit “What’s Love Got to Do with It”, vendendo mais de dez milhões de cópias.

A carreira solo de Tina Turner continuou a florescer com o lançamento do álbum “Break Every Rule” e a maior turnê de sua vida, que atraiu multidões ao redor do mundo. Em uma apresentação histórica no Brasil, no Maracanã, ela reuniu impressionantes 184 mil pessoas em um único show, entrando para o livro dos recordes.

Além de sua notável contribuição para a música, Tina Turner também fez incursões no cinema, estrelando filmes como “Tommy” (1975) e “Mad Max – Além da Cúpula do Trovão” (1985). Ela também gravou trilhas sonoras para produções cinematográficas, incluindo “007 contra Golden Eye”. Sua influência ultrapassou fronteiras, e em 2008, aos 73 anos de idade, ela fez uma apresentação memorável nos prêmios Grammy, incluindo um dueto com a cantora pop Beyoncé.

Através de sua música, coragem e força interior, Tina Turner deixou um legado imortal na indústria musical e continua a inspirar gerações. Seu impacto transcende o tempo e seu talento inigualável será lembrado para sempre.

Sal

Jornalista, blogueiro, letrista, já fui cantor em uma banda de rock, fotógrafo, fã de música, quadrinhos e cinema...

Você pode gostar...

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: